Arquivo

Archive for 12/08/2009

Saiba o que as empresas buscam em jovens profissionais de TI

Jovem ProfissionalO primeiro emprego é um grande passo na vida dos jovens. Entrar em uma empresa conceituada e conquistar a tão esperada vaga de trabalho não é um sonho tão impossível. Mas, diferente do que muitos jovens pensam, as companhias não procuram apenas profissionais com conhecimento técnico e boa formação acadêmica em TI. O quesito comportamento também é levado em conta na hora da contratação de um profissional.

As organizações têm olhado muito mais para o potencial do jovem do que para seu conhecimento técnico. As empresas de tecnologia não encontram no mercado toda a mão-de-obra de que precisam, elas investem na formação de jovens profissionais.

Em processos desse tipo, muitas vezes também não se exige experiência profissional anterior, mas, se houver, o candidato soma pontos.

Em questão de comportamento, as empresas apreciam jovens que possuam habilidade para falar e escrever bem, pró-atividade, espírito de equipe e compromisso com prazos e horários.

Muitos jovens são contratados pela competência e demitidos pelo comportamento. Quando se vai fazer parte de uma equipe, uma postura humilde e que inspire confiança faz toda a diferença. Outra característica vista com bons olhos pelos recrutadores: o profissional que possui uma visão mais ampla do cenário onde a empresa atua possui melhor compreensão das demandas que surgem dos clientes.

Em muitos casos, entrar na empresa é apenas um passo para o sucesso profissional. Muitas companhias possuem programas de investimento para que seus jovens profissionais se desenvolvam. Algumas empresas trabalham com a política de valorização do potencial dos funcionários. Assim, há colaboradores que começaram como estagiários e hoje são responsáveis técnicos, programadores, analistas e outros cargos.

Fonte: Revista TI

@dominioti

Mais vagas na área de TI

A Lumis, empresa especializada  na criação e gestão de portais,  disponibilizou 11 vagas no setor de tecnologia no Rio de Janeiro.

A companhia precisa de desenvolvedores .Net e Java, além de analistas de testes e de suporte. Os interessados precisam ter formação em Ciência da Computação, Engenharia da Computação ou outros cursos na área de tecnologia.

Para candidatar-se, acesse o portal Lumis Recrutamento e cadastre seu currículo. Boa sorte!

Vagas na área de TI em Ribeirão Preto

A empresa Blur de Ribeirão Preto, parceiro de negócios da IBM, representante da Oracle, Red Hat entre outros, está disponibilizando de duas a três vagas na área de Consultoria e Implantação de Sistemas ERP e mais duas vagas para gestores das áreas comerciais para venda de sistemas ERP/BI. Os interessados devem entrar em contato com Jair Ferreira Lima Jr., Gestor de Negócios da Blur-RP. O e-mail para contato é jair.ferreira@blur-rp.com.br. Mais informações, ligar no telefone cedido para contato: (16) 9222.2743. Boa sorte aos candidatos!

O que se deve considerar antes de utilizar computação em nuvem

COMPUTAÇÃO EM NUVEM, CLOUD COMPUTING

A computação em nuvem, ou cloud computing, consiste em um modelo de entrega de tecnologia no qual a infraestrutura não fica in loco no cliente, mas em servidores remotos que oferecem grande capacidade de processamento e de armazenamento de dados, recursos que podem ser compartilhados ou de ser de uso exclusivo, caso as necessidades do contratante tenham necessidade.

Em teoria, esta ‘nuvem’ de equipamentos elimina a necessidade de as empresas terem de se preocupar com a aquisição e manutenção de hardware específico para cada aplicação, ou grupo de aplicações. Os recursos são contratados como serviço conforme a necessidade surja e o pagamento se dá por utilização desses recursos.

Esse modelo de negócios ainda engatinha. 2009 será o ano das corporações experimentarem o conceito e as soluções de cloud computing. Ao longo dos próximos meses, as empresas vão focar em três pontos ligados à nuvem: entender como armazenar arquivos estáticos; testar serviços de computação em nuvem e tentar levar algumas aplicações para a nuvem sem ter que alterá-las.

Os CIOs e gestores de TI que resolverem experimentar essa modalidade de serviço, ainda que em pequena escala, devem avaliar a credibilidade dos fornecedores e discriminar em contrato o serviço, as condições, a qualidade e disponibilidade do serviço contratado.

Segue abaixo quatro perguntas que costumam surgir quando se fala na computação em nuvem. Confira as respostas.

Como a adoção da cloud computing afeta as obrigações das empresas com relação à preservação de dados?
As companhias devem seguir políticas específicas para a preservação de seus dados sensíveis. Isso porque, principalmente em setores que lidam com informações sigilosas de clientes, é necessário armazenar dados que podem ser utilizados futuramente, no caso de uma investigação judicial. Assim, antes de selar acordos de computação em nuvem com um fornecedor, é preciso verificar se tais prestadores de serviço são capazes de armazenar arquivos confidenciais. Todas as especificações relativas a políticas de proteção, armazenamento e resgate de dados devem ser expressas formalmente nos contratos firmados entre as partes.

Dados armazenados “em nuvem” são mais vulneráveis?
Quando uma companhia utiliza serviços de cloud computing está criando mais uma fonte de acesso a seus dados. Mas isso não significa necessariamente que a segurança das informações será prejudicada. Para garantir a integridade de tais ativos, a empresa contratante deve ter todas as exigências de proteção discriminadas em contrato.

É possível preservar a confidencialidade de alguns dados deixando de expô-los sequer ao prestador de serviço?
Sim. Os direitos de acesso dos fornecedores às informações dos clientes podem ser limitados por meio de cláusulas contratuais. No entanto, é preciso que o provedor tenha um nível mínimo de liberdade para atuar de maneira eficiente e, por isso, os dados extremamente sigilosos não devem ficar na nuvem e, sim, na infraestrutura interna da companhia.

Quais passos devem ser seguidos depois da escolha de um fornecedor confiável?
Adotar o modelo de cloud computing pode representar uma boa oportunidade de estruturar um programa de retenção de dados. Ou seja, depois de escolher um provedor de serviços, a companhia que não tiver políticas para armazenamento, consulta e resgate de informações deve estabelecê-las para mapear todos os seus ativos. Nesta etapa é importante criar um inventário que indique onde e como cada informação corporativa é armazenada e manipulada.

Fonte: PC WORLD

9 dicas para o sucesso do profissional de TI

Profissional

Ser dono do próprio negócio, alcançar a posição de principal executivo da organização ou, ainda, ocupar um cargo fora no exterior. Quando se fala em futuro profissional, muitos são os objetivos dos executivos que ocupam hoje uma posição de liderança nas organizações. Apesar disso, boa parte desses líderes não sabem qual o caminho que precisam traçar para atingir suas metas.

Na busca pelo sucesso no mundo dos negócios é preciso ter determinação e processos voltados à gestão da própria carreira. Para tanto, vale seguir o seguinte caminho:

1. Tenha objetivos claros: o primeiro passo para conquistar o mercado de trabalho é saber qual a posição quer alcançar e quanto tempo, aproximadamente, deve levar para isso. É importante traçar metas de curto, médio e longo prazos para todas as fases da vida profissional.

2. Conheça a si mesmo: além de saber o exatamente o que procura, é preciso que cada profissional tenha em mente quais são suas limitações, bem como suas maiores competências. Assim, a busca por aperfeiçoamento e capacitação específicos torna-se mais ágil e válida, aumentando a visão crítica do próprio profissional em relação ao seu perfil.

3. Reavalie as metas periodicamente: conforme o mercado muda, os objetivos profissionais e seus prazos para execução também devem ser revistos. Só assim é possível manter um plano de carreira factível e condizente com a realidade do segmento no qual o executivo atua.

4. Continue estudando: por meio do acompanhamento do mercado é possível identificar quais habilidades serão necessárias para os próximos momentos da carreira. Tente prever as necessidades de sua área de atuação e busque formação o mais rápido possível.

5.  Mantenha contato com seus pares: o relacionamento é tão (ou mais) importante do que muitas habilidades. Conhecer as pessoas certas pode ser um enorme diferencial competitivo na busca pelos objetivos profissionais. Resgate seus cartões de visita, mande e-mails para antigos conhecidos, cadastre-se nas redes sociais e esteja nos eventos do setor no qual atua.

6. Invista na comunicação interpessoal: conheça seu próprio estilo de comunicar-se e também o de outras pessoas, procurando sempre expressar-se de maneira clara e objetiva. Seja bom ouvinte e não hesite em tomar atitudes diferentes, mas positivas, até que se tornem habituais.

7. Tenha sempre o currículo atualizado: nunca se sabe quando o documento poderá ser solicitado. Não se pode contar com a sorte de poder atualizá-lo antes do envio, por isso é importante mantê-lo com as informações corretas e, se possível, em diversos padrões, de acordo com perfis das diferentes vagas que o profissional busca.

8. Seja flexível: as empresas procuram profissionais que tenham flexibilidade para desenvolver diferentes atividades e conviver com situações inusitadas. Ao ser flexível você pode ter novas oportunidades de atuação e ampliar seus conhecimentos.

9. Desenvolva sua capacidade de liderança: saiba trabalhar em equipe, respeitando as opiniões dos demais e sabendo como confrontá-los quando necessário.

Aproveitando o assunto, confira AQUI a entrevista com Robert Wong, onde o headhunter (caçador de talentos) dos mais famosos do país faz uma análise sobre as mudanças no perfil dos profissionais e alerta para a falta de líderes capacitados em TI. Boa leitura!

Fonte: Gestão Profissional IDG Now!

Decisão da Aneel sobre banda larga via rede elétrica é adiada

Conexão Internet via Rede ElétricaA decisão da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) sobre o uso da rede de energia elétrica para a transmissão de internet em banda larga foi adiada para a próxima semana.

O parecer da agência estava previsto para esta terça-feira (11/08), mas recebeu pedido de adiamento da relatoria para examinar os detalhes. A nova alternativa já foi aprovada pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) em abril.

De acordo com áreas técnicas da Aneel, a transmissão em banda larga pelo sistema de energia elétrica não provocará interferências entre os dois serviços, uma vez que cada um trabalha com sua frequência própria.

A estimativa das duas agências reguladoras é de que a medida viabilizará a disseminação do uso de banda larga para transmissão de internet, uma vez que a rede de energia elétrica envolve uma estrutura já existente.

Fonte: IDG Now!

MS argumenta que “morte do IE6” é uma opção do usuário

Morte IE6Após inúmeros sites e blogs (inclusive o Dominio TI) pelo mundo aderirem a campanha “IE6 NO MORE”, em prol a “morte” do Internet Explorer 6, a Microsoft argumentou nesta segunda-feira (10/08) que “a escolha de atualização de um software no PC é do responsável pelo micro”.

Esta semana, o Orkut aderiu a um movimento pelo fim do suporte ao browser. Na semana passada, mais de 40 empresas de internet “startups” aderiram à campanha “Matem o IE6”.

Em um post no blog do IE, a Microsoft tem encorajado a migração para o Internet Explorer 8 e que embora a atualização seja um tema simples para entusiastas de tecnologia, não é para as empresas.

Segundo a mesma, muitos PCs não pertencem a entusiastas, mas a organizações responsáveis por dezenas ou centenas de milhares de PCs. Para eles, o custo do software não representa apenas o preço de aquisição, mas o custo de desenvolvimento, manutenção e de assegurar que ele funcione com suas infraestruturas de tecnologia. Mesmo que eles (ou desenvolvedores de sites, ou a Microsoft ou qualquer um) queiram que a migração para o IE8 seja feita agora, o software de cada PC faz parte de um cenário maior de Tecnologia da Informação.

Um dos motivos para a campanha contra o IE6 ter recebido apoio de diversas empresas de internet é que o antigo navegador da Microsoft aumenta os custos de desenvolvimento de sites 2.0, que usam tecnologias dinâmicas, como as linguagens de programação Ajax.

O resultado disso é termos, durante anos, que desenvolver (fazer malabarismos, gambiarras, css hacks, ifs a mais nos JavaScripts, sem falar no bug da borda que some e aparece) sites e aplicações para rodarem dentro de um software desatualizado, que não segue padrões e que exige/consome muito mais tempo de desenvolvimento, ou seja, mais dinheiro.

A Microsoft se comprometeu a manter o suporte ao IE com o Windows durante o ciclo de vida do produto – no caso do IE6, com o Windows XP, que terá seu suporte estendido até 2014. Muitas pessoas esperam garantir que aquilo que receberam originalmente com o sistema operacional continue funcionando, independente das novas versões lançadas.

Continuaremos incentivando os usuários do Windows a fazerem a atualização para a versão mais recente do IE. Nós também continuaremos respeitando suas escolhas sobre os navegadores que utilizam, afirma o engenheiro da Microsoft.

Fonte: IDG Now!

Leia também: Os efeitos do legado do IE6

🙂 @dominioti

Categorias:Browser, Internet
%d blogueiros gostam disto: