Arquivo

Archive for the ‘Profissão: TI’ Category

[Profissão: TI] Auditor de Sistemas

A auditoria exerce sua ação preventiva, saneadora e moralizadora, para confirmar a veracidade dos registros e a confiabilidade dos comprovantes, objetivando dar uma opinião sobre a situação encontrada, confirmando também os próprios fins da contabilidade e, consequentemente garantindo as demonstrações contábeis.

Dentro dos diversos segmentos de auditoria existentes, um deles vem a ser o da Auditoria de Sistemas, que é o ramo da auditoria que revisa e avalia os controles internos dos sistemas de informação da empresa.

Os objetivos de uma auditoria de sistemas são:

 

  • Verificar a eficiência, onde se analisa a utilização dos recursos de computação alocados aos sistemas. Esses recursos são compreendidos pelos softwares, hardwares e profissionais envolvidos, e se atentam a geração do resultado correto no tempo programado;
  • Constatar a eficácia, onde se valida os resultados gerados pelos sistemas, onde esses produtos deverão ter condições de atender adequadamente as necessidades de seus usuários;
  • Atestar a segurança física e lógica, onde se avalia na segurança física o ambiente no qual está estruturado o SI (Sistema de Informação) e a confiabilidade das pessoas que o usa. A segurança lógica compreende avaliar o nível de segurança empregado com recursos tecnológicos nos processos de um determinado SI, como por exemplo, utilização de firewalls, antivírus, anti-spam etc.

A função do Auditor de Sistemas é aplicar os conceitos destacados acima, com imparcialidade total na execução da auditoria, sempre visando que seu papel não é complicar os processos de uma organização, mas sim facilitá-los.

A atuação nessa área pode se estender para outras inúmeras especializações, como: Auditoria de Sistemas Contábeis, Tributários, Auditoria de Sistemas Financeiros, Gestão em Auditoria de Sistemas de Saúde Brasileira, Auditoria em Sistemas de Gestão de Qualidade, enfim, inúmeras áreas de atuação podem se estender para o profissional que optar por essa capacitação.

Os salários de um Auditor de Sistemas, dependendo da região e da especialização podem atingir de R$ 4.000 à R$ 12.000.

Contribuição: Boletim Fiscal Senac

[Profissão: TI] Analista de Segurança da Informação

Primeiramente, é bom ressaltar que há uma certa confusão entre a função do Analista de Segurança da Informação e o CSO (Chief of Security Officer) ou CISO (Chief of Information Security Officer). O CSO é um cargo exclusivamente executivo, voltado para a aplicação da segurança da informação, suas normas, melhores práticas e experiência de negócio. E quanto ao Analista de Segurança, além de estar envolvido em todos os processos referentes à S.I., ele municia o CSO justamente com resultados e informações diretamente das aplicações de práticas visando a segurança. Resumidamente, o Analista de Segurança da Informação é quem coloca em prática as regras de melhores práticas orientadas pelo CSO.

O papel do Analista de Segurança  se tornou muito importante nos últimos anos, onde a preocupação com a proteção da Informação está se tornando cada vez maior. Inclusive também, pela evolução dos métodos de ataques e exploração de vulnerabilidades de sistemas e recursos que temos hoje dentro da área de Tecnologia da Informação.

Não é só uma questão técnica, mas muito conceitual e política. Um Analista de Segurança atua buscando minimizar os riscos corporativos quanto ao roubo de informações, na detecção de vulnerabilidades em sistemas, servidores, aplicações, realiza análises de risco e monta planos para mitigá-los. Isso inclui também a parte de auditoria e controle de processos, procurando encontrar não conformidades e falhas de processos e corrigi-los. Quanto à parte mais técnica, pode atuar na criação e configuração de ambientes seguros de rede físicos e lógicos, definir e manter as políticas de segurança de rede, gerenciar equipamentos e softwares que previnem o ambiente contra ataques como: firewall, servidores de antivírus, filtros de spam, gerenciamento de patches, etc.

Via de regra, em uma estrutura madura de segurança, o Security Officer reporta-se para a Presidência da empresa, auditoria e tem acesso à diretoria e conselho, enquanto o analista de segurança responde hierarquicamente ao CSO.

De qualquer maneira o Analista de Segurança tem extrema importância em todo processo de análise de segurança da informação do ambiente, sendo ele a estar mais próximo do dia a dia da segurança ou a falta dela, e sem esse profissional o CSO não estaria suprido de informações para tomadas estratégicas de decisões.

Os salários para esta função variam entre R$ 3.000 para iniciantes na carreira, podendo superar a R$ 10.000 para profissionais com maior experiência.

Acompanhem detalhadamente abaixo, quais são as funções e os requisitos para se tornar um Analista de Segurança da Informação:

Responsabilidades

  • Supervisionar o departamento administrativo de segurança com o objetivo de proteger os ativos da empresa, propriedade intelectual e os sistemas tecnológicos, bem como a segurança física dos funcionários e visitantes.
  • Identificar e definir os objetivos de proteção e métricas coerentes com o plano estratégico da empresa.
  • Gerenciar a implementação e manutenção da política de segurança global, normas, diretrizes e procedimentos para garantir a manutenção permanente de segurança, proteção física, a prevenção de incidentes no local de trabalho, sistemas de controle de acesso, vigilância por vídeo, dentre outros. A proteção também inclui a arquitetura de segurança de rede, acesso à rede e acompanhamento das políticas, da educação e sensibilização dos funcionários, e conscientização em toda a organização.
  • Atuar com outros executivos para priorizar as iniciativas de segurança e os gastos com base na gestão adequada dos riscos. Os planos de continuidade de negócios devem ser avaliados.
  • Manter relacionamentos com os centros de incidentes locais, estaduais e outros órgãos relacionados.
  • Supervisionar o planejamento de resposta aos incidentes, bem como a investigação de violações da segurança, e ajudar com as questões disciplinares e legais associadas com tais violações.
  • Trabalhar com consultores externos, conforme adequado para as auditorias de segurança independente.

Requisitos

  • O candidato ao posto precisa ser inteligente, articulado e líder persuasivo que pode servir como um membro efetivo da equipe de gerência sênior e que é capaz de comunicar e expressar conceitos relacionados com a segurança da informação, incluindo um amplo leque de técnicos e não técnicos.
  • Deve ter experiência com planejamento de continuidade de negócios, auditoria e gestão de riscos, bem como do contrato e da negociação com fornecedores.
  • Conhecer as expectativas do corpo executivo em relação a sua atividade.
  • Ter conhecimento das leis vigentes e relacionadas ao negócio.
  • Deve ter um sólido conhecimento das tecnologias da informação e segurança da informação.
  • Possuir certificações especificas na área (Ex.: CRISC, CISA, CISM, MCSO)
  • Conhecer o plano de negócios da empresa.

Fontes: Microsoft TechNet, NetCarreiras, Segurança Linux, Internativa

[Profissão: TI] Analista de SEO e mídias sociais

Nos próximos anos, devem surgir no mercado novas profissões, impulsionadas pelo uso da tecnologia. Na realidade, hoje já convivemos com uma série de cargos que não existiam há alguns anos. Um exemplo é o caso dos profissionais que trabalham para melhorar a posição de uma empresa em sites de busca. Hoje, isso não só virou uma área importante, como tem sido uma ótima fonte de receitas para pessoas que exercem a função de analista de SEO (otimização de mecanismos de busca, em português).

O trabalho atende a uma demanda crescente das empresas: aumentar a visibilidade de suas páginas na internet. No entanto, faltam profissionais qualificados para exercer a função, uma vez que é uma área nova, para a qual não há cursos específicos.

Para suprir esta carência de formação técnica na área, muitos profissionais apelam para uma fonte que estão extremamente habituados: a própria Internet.

Consultando fóruns, manuais e trocando experiências com outros profissionais que atuam na área, é que esses analistas adquirem know how e vão alimentando o banco de conhecimento para que outros interessados possam consultar e desfrutar das informações.

Além do analista de SEO, outro tipo de novo profissional que também está em alta, mas ainda com escassez de mão-de-obra é o analista de mídias sociais.

Mas, assim como na área de SEO, entre analistas de mídias sociais a história se repete: faltam profissionais e não há formação específica para quem quer ocupar um cargo nesse setor. Essas profissões do futuro não têm faculdade hoje. É comum esses cargos serem ocupados por profissionais que não são formados propriamente em TI. Muitos são publicitários, designers, jornalistas etc. As caracteristicas comportamentais são mais importantes do que a formação nesses casos.

Fazer cursos na área é importante, mas correr atrás e praticar faz muito mais diferença para quem quer buscar uma oportunidade nessas novas profissões que surgem na área de tecnologia. É essencial não perder tempo, uma vez que o mercado de TI se movimenta com muita rapidez.

Contribuição: OLHAR DIGITAL

[Profissão: TI] Tecnólogo em redes

Excelente sábado, saudosos leitores! É com imensa satisfação que “revivo” a série Profissão: TI (cliquem no link para acompanhar os posts relacionados).

Hoje falaremos sobre uma das funções mais importantes atualmente em Tecnologia da Informação: o tecnólogo (entenda a diferença entre TÉCNICO e TECNÓLOGO) em redes de computadores. Sem esse profissional fica inviável todo e qualquer serviço de comunicação, seja ele voz ou dados. Perceba que sem este profissional, você não teria a oportunidade de ler este post agora, postar no facebook ou até mesmo se conectar no twitter pelo seu iPhone, ou mesmo ligar para seus contatos. Confira abaixo com detalhes sobre esta profissão e acompanhe a matéria exibida no Jornal da EPTV, no dia 07 de fevereiro de 2011.

**

O tecnólogo que atua nessa área desenvolve processos para gerenciamento de estrutura de redes de computadores, primando pela segurança na troca de informações, criando processos para garantir um bom funcionamento da infra-estrutura de comunicação de voz, dados e imagens.

O campo de atuação é bastante vasto, permitindo ao tecnólogo trabalhar, após dois anos e meio de curso, em empresas públicas ou privadas, consultorias ou como autônomo.

Atuação: Presta serviços de consultoria para pessoas físicas e grupos independentes. Atua em indústrias, empresas públicas e privadas, instituições educacionais, operadoras de telecomunicação, empresas de informática. Presta consultoria em cabeamento estruturado e demais dispositivos físicos, na implantação de redes com tecnologia Intranet e gerenciamento de redes e periféricos.

Certificações: Projeto, Implementação e Gerenciamento de Redes de Computadores.

Diplomação: Tecnólogo em Redes de Computadores.

FONTE: EPTV.com e UNIVEM

Os 8 perfis do profissional de TI

De forma geral, os profissionais da área de TI são vistos como um grupo à parte dentro da organização (geralmente somos excluídos da confraternização pela nossa fama antisocial). Os assuntos com os quais eles lidam e a dificuldade de se comunicar com o restante da organização faz com que a equipe comandada pelo CIO se afaste do resto da companhia.

Como forma de mapear hoje o perfil das pessoas que optam pela área de TI, o Computerworld criou um guia, digamos peculiar e bastante engraçado e que pode ajudar o profissional de TI a identificar e entender melhor o perfil de seus colegas e a si mesmo. Veja qual destes é você!

1.  O terno vazio

  • Cargos: Gerente de TI e analista de negócios
  • Perfil: Contratado para ser uma ligação entre a gestão de alto nível e os técnicos. Atua como um intermediário durante as visitas de clientes. Decorou a maioria das siglas importantes e domina a arte de assentir conscientemente em reuniões e, em seguida, navegar pela Wikipedia para descobrir sobre o que se estava falando. Em alguns casos, pode ter um diploma ou certificado de alguma instituição online duvidosa.
  • Hobbies: Controlar os novatos

  • Maior realização: Perder propositalmente jogos de golfe para os demais executivos da companhia
  • Traços marcantes: Imitações baratas de roupas

  • Ídolo: Michael Dell
  • É parecido com: Michael Scott (Steve Carrel) da série de TV “The Office”

2. O assustador administrador de sistemas

  • Cargos: Administrador de rede e administrador de bancos de dados.
  • Perfil: A companhia não funciona sem sua presença – e esse profissional sabe disso. Felizmente, ele gosta mais de lidar com máquinas do que com pessoas, então o restante da empresa pode ficar tranquilo e confiante, porque ele gasta mais tempo do que o necessário para manter os sistemas ativos.

  • Hobbies: Ganhar certificados, escrever subrotinas de segurança para redes em código binário para proteger dados do setor

  • Último livro lido: “O Livro Completo de Truques Sujos” (Get Even: The Complete Book of Dirty Tricks, em inglês)

  • Maior realização: Manteve toda a rede refém ao se recusar a fornecer as senhas para o “Terno Vazio”

  • Traços marcantes: Algemas e um macacão laranja
  • Ídolo: Terry Childs (ex-administrador de redes nos EUA que ganhou notoriedade ao bloquear o acesso a uma rede em São Francisco, Estados Unidos)

3.  A barricada humana

  • Cargos: Desenvolvedor de software, arquiteto empresarial e administrador de sistemas.
  • Perfil: Independentemente do projeto ou tarefa apresentados, a “barricada humana” sempre responde da mesma forma: não é possível. A resposta é seguida por uma lista dolorosamente detalhada de todas as razões pelas quais o projeto custará muito, terá baixo rendimento ou não poderá ser integrado no tempo necessário. E, é claro, foi uma má ideia desde o começo.
  • Hobbies: Reclamar

  • Último livro lido: “Odeio Esse Lugar: O Guia da Vida para o Pessimista” (I Hate This Place: The Pessimist’s Guide to Life, em inglês).

  • Maior realização: Não ter realizado nada desde 1979

  • Traços marcantes: Camisesta com gola polo, calça cáqui e ainda carrega uma régua de cálculo
  • Ídolo: O personagem Eeyore – o burrinho Bisonho do Ursinho Pooh

4. O zangão irritado do suporte

  • Cargo: Técnico de suporte
  • Perfil: Contratado para andar de mesa em mesa consertando computadores de pessoas que parecem não valer o seu tempo. Fará o que você pedir e nada a mais. Sabe mais do que você em relação a computadores – algo que ele consegue provar em todas as conversas – mas não está interessado em compartilhar informações úteis.
  • Hobbies: Armas, tiroteios e atos de violência aleatórios

  • Último livro lido: “Qual a Cor do Seu Paraquedas?” (What Color is Your Parachute?, em inglês)

  • Maior realização: Morte tripla jogando Halo

  • Traços marcantes: Carranca permanente e tênis Nike de 1982

  • Ídolo: William “D-fens” Foster (Michael Douglas) em “Um Dia de Fúria”
  • Mais se parece com: Milton Waddams (Stephen Root) em “Office Space”

5. O Supernerd

  • Cargos: Engenheiro de softwares e programador sênior.
  • Perfil: Inteligente, lógico e anti-social ou, em outras palavras, o que a maioria das pessoas pensa de um profissional de TI. O Supernerd pode ser classificado como introvertido, com pensamento intuitivo e julgador de caráter. Se ele precisar se comunicar com seres de inteligência inferior (exemplo: você), prefere fazer isso por e-mail.
  • Hobbies: O que são essas coisas chamadas hobbies?

  • Último livro lido: “Código: A Linguagem Oculta de Hardware e Software de Computadores” (Code: The Hidden Language of Computer Hardware and Software, em inglês)

  • Maior realização: Reescrever completamente e analisar cada linha do código de um sistema sem ninguém ter percebido

  • Traços marcantes: Algumas vezes confunde a vida real com Second Life ou digita no ar sem perceber

  • Ídolo: Mr. Spock
  • Mais se parece com: Dr. Sheldon Cooper (Jim Parsons), da série de TV “The Big Bang Theory”

6.  O fã de sistemas operacionais

  • Cargos: Help desk, técnico de suporte, programador.
  • Perfil: Há apenas um caminho verdadeiro – e, mais importante, apenas um sistema operacional verdadeiro – para essa pessoa. Todos aqueles que não acreditam nisso são tolos, cujas necessidades tecnológicas serão ignoradas. Apesar de, na maioria dos casos, associados aos produtos da Apple, algumas vezes também gostam das plataformas Windows ou até mesmo Linux. Todas as conversas terminam com justificativas sobre as razões pelas quais o sistema operacional dele é melhor, apesar da companhia não utilizá-lo.
  • Hobbies: Retrucar comentários de artigos online que criticam o sistema operacional de sua escolha

  • Último livro lido: Nenhum; apenas lê blogs sobre o seu sistema operacional favorito

  • Maior realização: Crackear o iPhone, manter-se aliado ao Windows Vista, controlar todas as editorias da Ubuntu wiki

  • Traços marcantes: Botões de orelha branca, camiseta original estilo Microsoft Bob, um pinguim empanado

  • Ídolos: Steve Wozniak, Bill Gantes, Linus Torvalds

7.  O promessinha

  • Cargos: Outbound de vendas, desenvolvedor de negócios
  • Perfil: Não há nada que essa pessoa não diga para fechar um negócio. Você quer recursos que o produto original não tem? Fechado. Se precisa de algo em seis meses, o “promessinha” conseguirá em três. É claro, ele não tem que entregar nada – esse é um trabalho para os desenvolvedores. Atrasos, gastos excessivos e recursos extras serão a dor de cabeça de outra pessoa.
  • Hobbies: golfe, Michelob Ultra

  • Último livro lido: “A Arte da Guerra” (Sun Tzu)

  • Maior realização: Fechar um negócio de software corporativo de milhões de dólares usando uma versão de demonstração baixada da internet

  • Traços marcantes: Sorriso de vendedor de carros usados.

  • Ídolo: Blake (Alec Baldwin) em “O Sucesso a Qualquer Preço”
  • Mais se parece com: Jack Donaghy (Alec Baldwin) em “30 Rock”

8: O vulto

  • Cargos: Desconhecidos
  • Perfil: Não é problema meu, não é meu trabalho, não é culpa minha – esse é o slogan do Vulto que, de alguma forma, consegue ocupar espaço no departamento de TI (e receber um pagamento) sem preenchê-lo. Ninguém sabe ao certo o que o Vulto faz, sempre porque ele ou ela se tornou um expert em não fazer quase nada. Com o tempo, o Vulto pode receber responsabilidades de gestões, para depois evoluir para a “barricada humana”.
  • Hobbies: Vender hardware não usado pela empresa no eBay durante o almoço

  • Último livro lido: “Ninjutsu: A Arte da Invisibilidade” (Ninjutsu: The Art of Invisibility, em inglês) e “Não fazer nada e ainda ser pago por isso” dos Mestres e PhD especialistas em “mestrisse do não fazer nada”, diretamente da Coderp: Reginaldo Dandaro e Rodrigo (Lemão) Dovichi.

  • Maior realização: Tirar um mês de férias sem que o chefe percebesse

  • Traços marcantes: Nenhum

  • Mais se parece com: Uma célula não identificada na folha de pagamento

Então, qual destes perfis mais se aproxima do seu?! Me identifiquei com pelo menos tres, mas nem sob tortura eu confesso pra vocês! Deixem um comment com o perfil que você se considera parecido ou conhece alguém do mesmo jeito. Abraços!

Fonte: CIO

[Profissão: TI] Engenheiro de Sistemas

Engenheiro de sistemas - System Engineer

A série Profissão: TI desta semana dará enfoque ao Engenheiro de Sistemas com ênfase em software.

O engenheiro de sistemas tem como principal objetivo projetar e monitorar os sistemas de informação de uma organização. Este projeto de SI realizado pelo engenheiro de sistemas geralmente segue métricas padronizadas de qualidade e desempenho de sistemas informatizados.

Exige-se deste profissional, alto grau de integração e interação com os demais departamentos da empresa. Para o sucesso da informatização departamental e organizacional, deve-se compreender perfeitamente o funcionamento dos processos e conquistar a cooperação dos colaboradores, para que haja o alinhamento do sistema com a rotina do setor. Além disso, este profissional pode operar como Gerente de Projetos.

Funções

  • Levantamento dos requisitos do sistema;
  • Elaboração e controle do cronograma do projeto;
  • Montagem de modelo experimental (prototipação e testes beta);
  • Coordenação das equipes de desenvolvimento;
  • Comunicação e negociação com outros departamentos e fornecedores externos de software.

Para exercer a função, o profissional deve possuir alguns pré-requisitos como:

  • Conhecimento de SO (sistemas operacionais client/server)
  • Conhecimento de sistemas de gerenciamento de banco de dados (SGBD);
  • Uso de ferramentas baseadas em UML (Unified Modeling Language), para modelagem de dados da aplicação;
  • Domínio em várias linguagens de programação;
  • Domínio dos modelos de programação Web;
  • Maturidade profissional;
  • Capacidade de Comunicação e Trabalho em equipe;
  • Conhecimento de administração de empresas e gestão de pessoas;
  • Conhecimento de ferramentas para Gerência de Projetos.

Formação

Em geral, é exigido nível superior para exercer a profissão. Os cursos disponíveis para a formação do engenheiro de sistemas são: Sistemas de Informação, Engenharia da Computação ou Ciência da Computação; normalmente ainda é recomendável a especialização em Engenharia de Sistemas ou Gerência de Projetos.

Ainda há diversas certificações na área, tais como:

Mercado de trabalho

A demanda do mercado está bastante aquecida para este profissional. Podemos acompanhar sites especializados como o Empregonaweb.com, que diariamente atualiza sua base de vagas, e entre elas, diversas empresas disponibilizando oprtunidades para a função.

A média salarial para o cargo gira em torno de R$ 2.500 à R$ 6.000.

[Profissão: TI] Web Designer

WebdesignerWebdesign é um dos mais rentáveis ramos de negócios e um dos mais competititvos na área digital atualmente. Com a ascensão da internet ocorrido nos últimos anos, o webdesign tornou-se uma opção de emprego muito interessante para os profissionais de tecnologia, mesmo como uma atividade temporária. Além da demanda por esse trabalho estar se tornando cada vez mais crescente a medida que o mercado da internet se torna mais presente, é uma atividade que pode ser realizada mesmo em casa, ou qualquer lugar equipado com um micro conectado à grande teia.

Devido a alta demanda por essa atividade, existem muitos aspectos que tem que ser levados em conta no que se refere ao webdesign, que determinam o que é um trabalho bom. É muito importante analizar qual o propósito do cliente para criar um website que se encaixe em suas necessidades. Baseado nessas necessidades, o designer deve criar uma boa estrutura de site, uma tecnologia que combine com o propósito da página e o layout, que é um aspecto muito importante, já que é a primeira impressão para os visitantes.

Entretanto, a maioria dos webdesigners falham em se focar somente no layout, esquecendo que a funcionalidade é o aspecto mais importante depois de tudo, principalmente para websites comerciais. Um webdesign que é limitado a muitos elementos gráficos e animações pode ser visualmente atrativo, mas sem funcionalidade, o website não está completo. Outro aspecto muito importante do webdesign é a organização do conteúdo de acordo com as necessidades do visitante. As seções em um bom website dever ser concisas, completas e oferecendo informações precisas. Muitos websites falham ao tentar oferecer uma enxurrada de informações, sem esclarecer os pontos essenciais.

No que diz respeito a estrutura do website, especialistas em webdesign devem se concentrar em uma navegação confortável. Os visitantes devem encontrar a informação ou o link que precisam facilmente e rápido, com poucos cliques. Com isso em mente, podemos concluir que ainda que o nome sugira que webdesign se refira apenas a parte visual da construção do website, ele envolve muitos outros aspectos que são igualmente importantes para o sucesso do site.

A internet também oferece muita informação sobre ferramentas e estratégias de webdesign. Como essa atividade algumas vezes requer mais criatividade e visão do que conhecimento profissional, a pesquisa é essencial.

Funções

  • Analisar o ambiente de tarefa da empresa ou cliente;
  • Desenvolver páginas estáticas ou dinâmicas;
  • Desenvolver layouts personalizáveis, que se ajustam a realidade da empresa;
  • Desenvolver painéis de controle e gerenciadores de conteúdo, para facilitar a manutenção do site e a independência do cliente ao inserir novos conteúdos;
  • Captar tendências e canalizar para as páginas produzidas, de forma a rentabilizar a empresa e seu portfólio;
  • Solucionar problemas de compatibilidade e tentar aumentar o alcance às informações, fazendo uso da arquitetura de informações.

Formação e Mercado de Trabalho

Para se tornar webdesigner não é necessário formação superior. Uma das opções de formação em webdesign é oferecida pelo SENAC-SP. O curso de Técnico em Informática para Internet, possui duração de 6 módulos, que vão desde Web Editor, passando pelos módulos de Web Master, Web Developer até Gestão Empreendedora, que visa aplicar ao aluno táticas para identificar oportunidades através da geração de idéias.

Outro tipo de certificação é o MCWD (MULTIMEDIA CERTIFIED WEB DESIGNER) da Adobe, que prepara o candidato para as certificações ACE (Adobe Certified Expert: Flash CS4 e Dreamweaver CS4 Developer)

O salário de um webdesigner com conhecimento em programação, segundo a tabela salarial da Info, gira em torno de R$ 3.800 à R$ 5.500. Um estagiário, iniciante na área, começa com cerca de R$ 600.

Veja mais detalhes sobre essa profissão neste vídeo elaborado pelo Olhar Digital:

[Profissão: TI] Arquiteto de Informação

Arquitetura da InformaçãoAo contrário do que muitos possam afirmar, a profissão de arquiteto de informação não é nova. Na metade da década de 70, o mundo já experimentava um volume crescente de informação, que surgia de todos os lados e de forma desorganizada. A novidade é que até pouco tempo, não existiam cursos para os profissionais de AI no mercado brasileiro. O cenário nacional é bem diferente, comparado a países como Estados Unidos e Canadá, em que os “job´s descriptions” são muito mais claros, ou seja, no Brasil é muito mais difícil de se encontrar especialistas, porque os profissionais acabam exercendo outras funções paralelas.

Mais da metade dos profissionais da categoria dedicam até 50% do seu tempo de trabalho para a Arquitetura de Informação.

A falta de um “job description” no Brasil dificulta muito a vida de quem está iniciando. Como ninguém sabe ao certo o que o Arquiteto de Informação faz, existe todo o tipo de oferta de trabalho. Para o AI, é preciso saber identificar as oportunidades que realmente são pertinentes a profissão. Por outro lado, no IA Institute, uma organização mundial que visa promover a AI mundialmente, já conta com 1.400 membros de 80 países.

Em outras definições, a arquitetura de informação envolve a análise, o design e a implementação de espaços informacionais, como sites, bancos de dados, bibliotecas etc.

Funções

Mas afinal, o que faz um Arquiteto de Informação? A definição mais sensata é: tornar simples o complexo.

Um bom arquiteto de informação deve oferecer aos usuários facilidade de entendimento e recuperação de informação. Segundo pesquisa do Nielsen Norman Group, 27% das causas de insucesso das vendas de um site se devem ao fato do usuário não conseguir encontrar o produto que estava procurando. Um comparativo com a pesquisa realizada há 7 anos pela Nielsen, constatou que apenas 64% dos usuários conseguem encontrar informações facilmente em um site. Comece a perceber, mas sites em que o conteúdo é facilmente encontrado podem estar munidos de especialistas de AI.

Os profissionais de AI de hoje atuam mais na área de web e são responsáveis principalmente por mapas mentais, que consistem em formas de agrupar e organizar informações similares ou que fazem parte de um grupo de interesse; wireframe, que é basicamente um esqueleto de como o site será organizado e sitemap, que tem por objetivo construir uma representação hierárquica de páginas de um site. Mas um dos principais aprendizados do arquiteto de informação é saber quem é o usuário e porque ele precisa daquelas funções.

Formação

Cerca de 58% dos profissionais de AI são autodidatas, enquanto apenas 10% fizeram cursos sobre o tema. A novidade é que já são oferecidos cursos de pós-graduação aos profissionais. A exemplo da Faculdade Impacta Tecnologia (FIT), cujo programa dura 18 meses preenchidos por uma carga horária de 400 horas e a ESPM do Rio de Janeiro.

Outras instituições, como a Extensiva e a Jump Education oferecem cursos livres de curta e média duração. A média salarial desse profissional é de 3 mil a 5 mil por mês.

Mercado de trabalho

Um profissional muito confundido com o AI é o Analista de Usabilidade. Mesmo porque uma parte deste trabalho está na arquitetura de informação.

Muitas empresas estão contratando arquitetos de informação, ao invés de analistas de usabilidade. São profissionais totalmente distintos. Um dos principais objetivos do Analista de Usabilidade é fazer com que o usuário esteja confortável e aceite o trabalho proposto dentro do sistema. Usabilidade é tornar todos os aplicativos mais compreensíveis ao seres humanos, e não é o caso do arquiteto de informação, cuja função é detalhar e facilitar o acesso à informação.

A diferença é que nessa área o profissional irá antecipar os possíveis erros que o usuário irá cometer, como por exemplo, evitar erros no banco de dados e pensar na possibilidade das pessoas não conseguirem entender o conteúdo e por isso deixarem de acessá-lo.

Fonte: Mundo Vestibular

Sites relacionados:

Arquitetura da Informação – Tutorial – JBruni

Wikipédia – Arquitetura da Infomação

Webinsider – Bibliotecário é arquiteto da informação, sabia?

Instituto de Arquitetura de Informação

[Profissão: TI] Bioinformata

Genoma BioinformaticaOutras carreiras, até então distantes da área de tecnologia, agora estão relacionadas ao desenvolvimento de TI. Hoje, pedagogos, por exemplo, já são consultados para desenvolver softwares para cursos de especialização ministrados pela Internet, famosos EADs. Historiadores são contratados para organizar acervos que são posteriormente oferecidos na Web. Médicos se valem da telemedicina, advogados se especializam em direito virtual e engenheiros e arquitetos trabalham com o auxílio de diversas ferramentas que envolvem o desenvolvimento de tecnologia. A necessidade da adequação dos recursos computacionais a interesses específicos de uma ou outra profissão fez com que a responsabilidade pelo desenvolvimento de soluções que envolvem tecnologia extrapolasse a Ciência a Computação. Analisando este parâmetro, hoje a série “Profissão: TI” destaca o Bioinformata.

Basicamente, são biólogos com conhecimentos em informática ou profissionais de computação com especialização em biotecnologia.

A profissão de bioinformata ganhou destaque com as pesquisas do Projeto Genoma Humano, esforço que envolveu tanto profissionais do ramo da biologia quanto da ciência da computação. Mas o profissional da informática biomédica também é requisitado para trabalhar com gerenciamento de registros clínicos e de saúde pública além de ser capaz de desenvolver soluções informáticas que auxiliam no diagnóstico médico.

A carreira de bioinformata surgiu da necessidade de se ter um profissional para atender não só a pesquisas, mas, de um modo geral, na Gestão de Saúde, usando bioinformática, processamento de imagens e sinais, sistemas de informação e simulação em saúde.

Em linhas gerais, esse profissional é responsável por prover soluções de informática para biólogos, o que requer conhecimento profundo das duas áreas. Ser bioinformata exige familiaridade com os princípios e técnicas laboratoriais da biologia molecular, além de domínio da ciência da computação, que, por sinal, é a formação preferencial, obtendo 60% da grade curricular do curso de graduação.

Formação

O campus da USP de Ribeirão Preto foi o primeiro da América Latina a oferecer o bacharelado em Informática Biomédica, em 2003. O que já é ministrado em algumas universidades dos Estados Unidos e Europa. Antes, esta formação só era alcançada na pós-graduação.

Segundo a USP, o campo de trabalho está em rápida ascensão e o curso tem disciplinas que vão da biologia (anatomia, genética, patologia e fisiologia, entre outros) à ciência da computação (cálculo diferencial e integral, estatística, álgebra, e desenvolvimento de algoritmos).

O curso surgiu para atender as muitas atividades que dependem de um profissional com formação multidisciplinar em Ciências de Computação e em Biociências. O Curso de Informática Biomédica requer do aluno aptidão para Ciências Exatas e interesse por Biologia Geral e Humana. As principais áreas de práticas profissionalizantes, vivenciadas durante o curso, serão: Bioinformática, Diagnóstico por Imagem e Informática na Gestão e Assistência à Saúde. O curso  tem duração normal de 4 anos.

Onde estudar?

Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto – SP

Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto -SP

Mercado de Trabalho

Em países com economias mais desenvolvidas, o profissional pode ter ganhos mensais de até R$ 36 mil, justificados pela extensa lista de habilidades e conhecimentos técnicos que deve apresentar. O sucesso na carreira depende de saber criar soluções, resolvendo problemas complexos por meio do uso da computação eficiente. A posição requer também destreza em trabalhar com hardware, software, brainware e peopleware e capacidade de trabalhar com equipes multidisciplinares, formadas por agrônomos, biólogos, químicos e farmacêuticos.

De maneira geral, o mercado de trabalho requer dos profissionais excelência nas qualificações técnicas, mas também valoriza as habilidades comportamentais, e com o bioinformata não é diferente. Como em todo processo científico, ele trabalhará constantemente com descobertas, o que significa que nem sempre saberá onde chegar, nem quais serão os resultados finais. Portanto, o bom bioinformata deve possuir, além de um razoável QI (quem indica quociente de inteligência), um privilegiado QE (quociente emocional), pois esta lhe dará calma, paciência, tolerância e deferência, além da empatia vital para conseguir colocar-se no lugar do cientista. Profissionais de TI que trabalham em ambientes de pesquisa e desenvolvimento de grandes centros acadêmicos ou empresas costumam desenvolver esses talentos, junto com a habilidade de se relacionar com pessoas às vezes muito diferentes.

O mercado de trabalho para o bioinformata é amplo e em desenvolvimento, principalmente no Brasil. Ele pode atuar em laboratórios farmacêuticos ou veterinários, envolvido em pesquisas genéticas ou na descoberta de novas curas e tratamentos, e nos grandes centros acadêmicos. Um outro bom campo é o de agronegócios, no qual ele irá desenvolver pesquisas que auxiliem na descoberta de soluções para evitar doenças ou genes resistentes, causadores de má formação ou degeneração animal ou vegetal.

A bioinformática exige profissionais técnicos, que entendam muito de software – especialmente de banco de dados, armazenamento e programação  – e de configuração e manutenção de servidores. O bioinformata não precisa ser cientista ou biólogo, mas deve ter simpatia e atração pelos processos científicos, estudos ordenados e pesquisa.

O Brasil reserva um bom futuro para a carreira, decorrente da união de três forças previsíveis: a crescente importância do país como fornecedor de alimentos para o mundo, o investimento de empresas e universidades brasileiras, que precisarão fazer sua pesquisa avançada no país, e o destaque atual e futuro das ferramentas de TI, que permitem a comunicação instantânea em todo o mundo.

Leia também:

Saiba como ser um bioinformata

Profissão do futuro: bioinformata vive entre bits e células

USP cria curso para formar bioinformatas

Bioinformata

Curso de Informática Biomédica oferecido pela USP em Ribeirão Preto é o primeiro da América Latina

[Profissão: TI] Administrador de Banco de Dados

Banco de DadosO Administrador de Banco de Dados, ou simplesmente DBA (Database Administrator) tem a função de determinar a melhor forma de organizar e armazenar dados em um banco de dados, utilizando ferramentas de modelagem e programando o SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados, por exemplo Oracle, SQL Server e outros). A análise dos processos e fluxo de dados são parametrizados e analisados de acordo com requisitos levantados, geralmente em entrevistas com os usuários envolvidos. Daí entra a habilidade de Analista de Sistemas, também.

O DBA projeta e desenvolve relatórios e formulários para apresentar as informações de que os seus clientes/usuários necessitam. Além de testes e alterações no banco, para verificar se os fluxos e processos caminham como o esperado. Para manter os dados seguros e protegidos contra eventos inesperados e desastres (lógicos ou físicos), o administrador de banco de dados gerencia os direitos de acesso dos usuários, além de criar e executar rotinas de backup e restore. Essa atividade exige do profissional criatividade, flexibilidade, raciocínio lógico e sistêmico e capacidade de organização, relacionamento e comunicação.

Funções

Os especialistas em bancos de dados projetam, instalam, atualizam, modificam, mantêm, ajustam e recuperam BDs. A menos que trabalhem para empresas muito pequenas, eles normalmente fazem parte de um grupo ou equipe de projeto. Os membros da equipe de projeto podem se especializar em diferentes aspectos do trabalho com dados. O DBA elabora, testa e instala novas ferramentas e plataformas. Além de modificar os bancos de dados existentes, desenvolvendo novos códigos de programa visando a otimização dos processos. O analista de projetos de BD projeta e coordena seu desenvolvimento.

Seus deveres podem incluir:

  • Suporte técnico aos bancos de dados existentes;
  • Personalização de bancos de dados comerciais para necessidades específicas;
  • Planejamento e projeto de bancos de dados para necessidades específicas;
  • Solução de problemas para atender às necessidades dos clientes;
  • Desenvolvimento de BD para uma ampla variedade de aplicações;
  • Supervisão da instalação de novos SGBD;
  • Treinamento da equipe das empresas clientes no uso de bancos de dados novos e existentes;

Mercado de Trabalho

Qualquer organização ou empresa que tenha um sistema informatizado que utilize bancos de dados como parte de suas operações. Entre eles: lojas, empresas de vendas por catálogo, companhias de seguro, serviços de comunicação, instituições financeiras, hospitais, departamentos do governo, escolas, empresas de tecnologia, universidades, empresas na indústria de serviços etc.

Experiência e treinamento necessários

Os principais requisitos são ter os conhecimentos, as capacitações e a experiência certas para a função, além de ter a atitude e a aptidão adequadas. As qualificações são parte importante da comprovação de sua capacidade. Curso superior normalmente é exigido, mas há muitas outras qualificações acadêmicas e vocacionais reconhecidas, que podem ser obtidas. Além disso, as empresas de TI, como a Microsoft, IBM, a Oracle e outras, oferecem certificações específicas em seus produtos. Essas certificações técnicas estão se tornando uma forma comum de avaliar o grau de competência de candidatos à vagas em empresas.

A profissão de DBA está cada vez mais valorizada no mercado de TI no Brasil, pois a informatização das empresas tem levado a necessidade de criação de rotinas de gerencias dos dados, que tem migrado numa velocidade exponencial, do papel para o computador. Mas o caminho para se tornar um DBA não é tão fácil assim, já que envolve um skill (habilidades, talentos) amplo, exigindo um perfil especialista-generalista do profissional e principalmente entrega pessoal no trabalho, pois o DBA pode ser acionado a qualquer hora do dia ou da noite (24×7), dependendo do fator crítico do sistema envolvido. Considerar esse nível de comprometimento antes da escolha da carreira de TI a seguir, é primordial.

Perfil comportamental

  • Suportar pressão; (leia também: Profissional de TI sob pressão)
  • Facilidade de comunicação com diferentes níveis da organização, desde funcionários do nível operacional até o gerencial e diretores;
  • Facilidade de aprendizado e implementação de novas tecnologias;

Cursos de Graduação Relacionados

  • Ciência da Computação;
  • Sistemas de Informação;
  • Engenharia da Computação;
  • Tecnólogo em Bancos de Dados;

Certificações Profissionais

Contribuição: Carreira de TI

Retificação: nos posts anteriores mencionei que a publicação das matérias da série Profissão: TI seriam semanalmente, todas as quartas-feiras. Porém, por falta de tempo para elaborar e publicar um conteúdo mais completo e informativo, mudarei as postagens para semanalmente, porém não obedecendo uma data para publicação. Portanto fiquem ligados, pois toda semana terá dicas novas de profissões da área de tecnologia aqui, no Dominio TI.  Obrigado pela visita e leitura! 🙂

Retuite este post

%d blogueiros gostam disto: