Arquivo

Archive for the ‘Redes Sociais’ Category

Palestra: Marketing On-life

 

marketing-digital-politico-democracia

Muito boa tarde, honoráveis leitores!!!

No dia 25 de junho, o Senac Ribeirão Preto realizará a palestra Marketing On-life.

A ação, ministrada pelo publicitário Rafael Kiso, tem como objetivo apresentar como a tecnologia e a publicidade digital podem elevar a capacidade do marketing de tornar uma marca parte da vida conectada de seus consumidores.

Rafael Kiso é vice-presidente de Planejamento do grupo Focusnetworks de Marketing Digital, responsável por soluções que potencializam negócios e pela comunicação por meio das mídias sociais para médias e grandes empresas nacionais e internacionais. O publicitário é também sócio-fundador das empresas MídiaNext, agência digital, e a Interactive.

O Senac Ribeirão Preto fica na Av. Capitão Salomão, 2133 no Jardim Mosteiro, ao lado do Bosque Municipal Fábio Barreto. Informações podem ser obtidas pelo e-mail ribeiraopreto@sp.senac.br, ou pelo telefone 16 2111.1200.

Inscreva-se no site.

O evento acontecerá numa quarta-feira, dia 25/06/2014, das 19 às 22 horas.

Aproveitem o evento e tenham todos uma ótima e produtiva semana!

Fonte: SENAC

Como está sua imagem online?

Excelente terça-feira, saudosos leitores! Alvitro-lhes-ei à “GOOGLAR” vossas graças (“ê trem chique!”). Isso mesmo! Não seria incorreto afirmar que exatamente TODOS vocês que agora lêem esse post, já usaram algum buscador ao menos 1 vez essa semana. Mas garanto que boa parte nunca experimentou procurar sobre si próprio!

O texto que seguirá foi escrito pela jornalista Sally Adee, da New Scientist, que foi traduzida e publicada hoje, na INFO.

Cultivamos nosso status social desde que nossos ancestrais primatas tiravam insetos das costas uns dos outros. A internet tornou a gestão da reputação mais difícil. Muitos usam a rede para compartilhar informações pessoais sem imaginar que elas podem atingir uma audiência maior e, muitas vezes, de forma definitiva. No mundo real, podemos criar várias identidades: você pode ter uma no trabalho e outra quando está com os amigos no bar. Esse tipo de fronteira desaparece na internet. Estamos perdendo a capacidade de apresentar essas diferentes personas na web. Para alguns azarados, essa confusão se tornou pública em situações desagradáveis. Algumas pessoas preferem se esconder na internet atrás de um pseudônimo. É a melhor solução para evitar problemas, certo? Nem sempre! Há um experimento no qual os participantes podiam conversar online usando apelidos. Descobriu que as pessoas ficavam mais dispostas a compartilhar dados pessoais, do tipo que afeta a reputação. Começou uma troca de informações sobre peso e problemas pessoais.

O perigo é que esse tipo de informação pode ser vinculada a você. A Netflix, empresa americana que oferece vídeos por streaming, descobriu isso da pior maneira. As sugestões de filmes são o núcleo do negócio, que tem um sistema que antecipa o desejo dos clientes. Em 2006, a Netflix ofereceu um prêmio para quem fizesse a melhor modificação nesse dispositivo. Para tanto, forneceu dados de meio milhão de clientes aos 51 mil competidores, incluindo o histórico de aluguel de filmes. A Netflix não se preocupou com a privacidade dos clientes porque os registros eram anônimos.

Mas os pesquisadores Arvind Narayanan e Vitaly Shmatikov, da Universidade do Texas, pegaram o banco de dados e cruzaram com resenhas postadas no site IMDb, a bíblia do cinema na internet. Isso permitiu inferir coisas como preferência política e orientação sexual a partir das escolhas de filmes. A Netf lix queria um sistema melhor, mas tirou muita gente do armário (risos).

Mas o que pode ser feito para recuperar a reputação online? Para começar, dê uma olhada nos perfis dos jovens nas redes sociais. Ainda que sejam acusados de não se preocupar com privacidade, vários adolescentes usam as redes para se promover. Alice Marwick, da Universidade Harvard, é coautora de um estudo sobre perfis de estudantes do ensino médio no Facebook. Ela descobriu que vários adaptam seus perfis para conquistar as faculdades. Eles destacam eventos saudáveis, como esportes. Os alunos revelam só a parte da personalidade que interessa às universidades.

Suba nas buscas

Inundar os buscadores com boas informações sobre você é uma maneira de estar nas primeiras páginas dos resultados de buscas. Como raramente vamos além das páginas iniciais, o gerenciamento da sua reputação pode se tornar bem mais fácil. Outra boa ideia é rechear o currículo online com muitos dados ou adicionar mais atividades que os empregadores gostam. Essas informações podem ir para sites como a rede profissional LinkedIn e outros 500 endereços semelhantes. A medida ajuda a criar referências cruzadas de links, o que faz os resultados subirem na busca. Em semanas, esses sites enterram as informações danosas à sua reputação e apresentam as novas.

Seja o dono do seu nome o máximo que puder. Tenha seu site, sua conta no Twitter, página no LinkedIn. Se houver alguma menção aleatória, não vai aparecer nos 100 primeiros resultados de buscas.

[Profissão: TI] Analista de SEO e mídias sociais

Nos próximos anos, devem surgir no mercado novas profissões, impulsionadas pelo uso da tecnologia. Na realidade, hoje já convivemos com uma série de cargos que não existiam há alguns anos. Um exemplo é o caso dos profissionais que trabalham para melhorar a posição de uma empresa em sites de busca. Hoje, isso não só virou uma área importante, como tem sido uma ótima fonte de receitas para pessoas que exercem a função de analista de SEO (otimização de mecanismos de busca, em português).

O trabalho atende a uma demanda crescente das empresas: aumentar a visibilidade de suas páginas na internet. No entanto, faltam profissionais qualificados para exercer a função, uma vez que é uma área nova, para a qual não há cursos específicos.

Para suprir esta carência de formação técnica na área, muitos profissionais apelam para uma fonte que estão extremamente habituados: a própria Internet.

Consultando fóruns, manuais e trocando experiências com outros profissionais que atuam na área, é que esses analistas adquirem know how e vão alimentando o banco de conhecimento para que outros interessados possam consultar e desfrutar das informações.

Além do analista de SEO, outro tipo de novo profissional que também está em alta, mas ainda com escassez de mão-de-obra é o analista de mídias sociais.

Mas, assim como na área de SEO, entre analistas de mídias sociais a história se repete: faltam profissionais e não há formação específica para quem quer ocupar um cargo nesse setor. Essas profissões do futuro não têm faculdade hoje. É comum esses cargos serem ocupados por profissionais que não são formados propriamente em TI. Muitos são publicitários, designers, jornalistas etc. As caracteristicas comportamentais são mais importantes do que a formação nesses casos.

Fazer cursos na área é importante, mas correr atrás e praticar faz muito mais diferença para quem quer buscar uma oportunidade nessas novas profissões que surgem na área de tecnologia. É essencial não perder tempo, uma vez que o mercado de TI se movimenta com muita rapidez.

Contribuição: OLHAR DIGITAL

Criação do Google revoluciona a Internet [Conecte – Jornal da Globo (03/03/11)]

Excelente noite, nobres leitores! Ótima sexta-feira de carnaval a todos.

Ontem (03/03/2011), o Jornal da Globo  exibiu no quadro Conecte (apresentado semanalmente toda quinta-feira), uma reportagem sobre a revolução causada na Internet com o surgimento do Google.

O vídeo aborda como Larry Page e Sergey Brin criaram uma ferramenta com uma modelagem totalmente inovadora e subitamente, com grandes aquisições como o Youtube e Orkut conseguiram dominar uma gigantesca parte dos serviços online.

Particularmente, o que mais me chamou a atenção na reportagem foi a visão brilhante de negócios do CEO do Google Eric Schmidt, onde ele aborda sobre privacidade dos dados de seus usuários, o futuro no mercado brasileiro e sua concorrência com o Facebook e Microsoft. Vale muito a pena conferir.

Nota do autor: Só não incorporei o vídeo aqui no blog, porque o site do G1 não fornece o código embed e ainda não está disponível no Youtube. Assim que possível, postarei aqui pra vocês. Segue o link para visualização:

Google causa uma verdadeira revolução no mundo da internet

Fazer network abre portas profissionais?

Como já definido e abordado aqui no blog, “network” é uma rede de contatos ou de relacionamentos que podem ser pessoais, acadêmicos, profissionais ou familiares, sendo que todos os contatos mantidos podem ser classificados por ordem de importância e interesse, e utilizados em momentos adequados.

Mas quem pensa em network somente como forma de fazer e manter amigos, pode estar com uma visão um pouco incompleta. Não é mais novidade para ninguém que manter uma boa rede de relacionamentos é essencial para que profissionais alcancem objetivos e descubram novas oportunidades em seus ramos.

Os contatos podem ter um fim que não seja o da amizade, mas sim a troca de informações sobre determinado produto, lugar e, principalmente, interesses profissionais. O LinkedIn, rede social profissional mais conhecida no mundo, conecta amigos, mas também os liga a colegas de trabalho, de faculdade e desconhecidos com interesses profissionais semelhantes.

Respondendo a pergunta do título do post: Sim, fazer network abre portas profissionais. O mais importante é entender que as pessoas que fazem parte do nosso ciclo de amizades podem ser úteis de várias formas. No âmbito profissional, por exemplo, não perder relações com os antigos empregadores, amigos da época, turma acadêmica, grupos profissionais, Conselhos Regionais e sindicatos/entidades/associações de classe, podem beneficiar um profissional. Todos estes relacionamentos podem ser catalogados por interesse e atualizados constantemente. Faça a sua rede saber o que você está fazendo, onde está trabalhando, se mantém um blog, se possui perfis em mídias sociais. Coloque-se na vitrine do mercado de trabalho.

A internet é um grande meio para manter relacionamentos, pois ela oferece inúmeras oportunidades de contato em redes sociais, como o já citado LinkedIn, que guiam o profissional a preencher campos do cadastro como se fosse um currículo online e ligam pessoas a empresas e instituições de ensino. Todos esses links fazem com que surjam oportunidades de emprego, palestras e negócios.

Porém, para se construir uma rede de relacionamentos consistente, alguns pré-requisitos devem ser levados em consideração. Os principais deles são a constância e consistência, pois de nada serve ter um grande leque de contatos se você está sempre ausente, ou pior, se você não apresenta conteúdo com o qual possa contribuir. É preciso manter-se ativo e conectado, pois quem não é visto, não é lembrado. A qualidade da sua rede depende exatamente do interesse em mantê-la produtiva e de fácil acesso, além de constantemente atualizada.

Quando um profissional começa a pensar em network, a princípio ele pode achar que o importante é a quantidade de pessoas que possui em sua rede. No entanto, mais do que quantidade, a qualidade desses contatos deve ser valorizada. É preciso ter bons contatos, com pessoas que possibilitem a troca, que te enxerguem como um profissional competente, que saibam das suas qualidades e conheçam seu trabalho.

Neste ponto, podemos identificar uma linha que liga o network ao marketing pessoal. E fazer essa ligação não é equívoco. Marketing Pessoal é a embalagem que você dá ao seu produto (conquistas e competências) e o NETWORK é a divulgação deste produto. Então, sem dúvidas, os dois estão interligados. Se um produto na prateleira do supermercado tiver embalagem atraente, mas não for de boa qualidade, o seu consumo será temporário. Um produto de boa qualidade, porém, sem uma embalagem atrativa, não será consumido. Mas um produto de boa qualidade e com boa embalagem terá uma venda eterna. É importante que o profissional tenha pré-disposição em iniciar este trabalho, pois com os recursos (tecnologia, internet) hoje existentes, não é difícil e nem trabalhoso criar um pequeno banco de dados que o permita utilizá-lo para pesquisa, obter dados e informações, divulgar produtos e currículos, parabenizar por datas comemorativas e muito mais. Criar o programa, alimentá-lo e desenvolver grupos de interesse permitirá que ele tenha em mãos um excelente instrumento de relacionamento. Não pense nas dificuldades, mas sim no retorno e nas oportunidades.

Fonte: Catho

Mídias sociais: o lazer que se tornou exigência profissional

O profissional que quer mostrar seu talento e diferencial para o mercado precisa estar nas mídias sociais.

Além dessas mídias fazerem com que a rede de contatos fique muito mais extensa, já que é hoje o melhor meio de fazer networking, por meio de um blog, por exemplo, o profissional está numa vitrine, que poderá ser vista pelo mundo todo.

As redes sociais como Twitter, Facebook, blogs, são uma tendência no que se refere à comunicação não apenas para o profissional, pessoa física, mas para qualquer corporação que queira estabelecer contato com seu público.

Sendo assim, no momento da contratação, a familiaridade com este mundo por parte do candidato é um fator a ser levado em conta, já que há grandes chances dele ter de trabalhar online na companhia.

Aspectos como comportamento online, a mídia social nas corporações, apuração em blogs e como essas novas mídias têm modificado o posicionamento dos profissionais e do próprio consumidor são assuntos “quentes” e que o profissional deve estar ligado.

Por isso, estejam antenados, na busca de vagas, no networking e na exposição de seu talento na internet!

Fonte: Grupo Foco

Redes Sociais, por Bernt Entschev

Bernt Entschev é headhunter, colunista da Gazeta do Povo, Bom Dia Paraná, CBN, O Correio do Povo e La Nacion (um dos principais jornais da Argentina).

Nesta entrevista ao Bom dia Paraná, em agosto de 2009, Bernt expõe os benefícios e cuidados ao se utilizar redes sociais no ambiente de trabalho. Confira:

Analisando o exposto, o que pesa mais no uso de redes sociais nas organizações? O benefício do acesso à informação, aplicada ao conhecimento e colaboração corporativa ou a perda de produtividade e exposição individual e/ou organizacional? A segurança pode ser comprometida com a liberação dessas mídias sociais ou a educação e conscientização do usuário pode tornar esse aspecto irrelevante? Comente, deixando a sua opinião sobre o assunto.

%d blogueiros gostam disto: